4 de janeiro de 2013


Será 2013 o ano do fim dos ‘Gato Fedorento'? O quarteto humorístico está fora da televisão, enquanto grupo, desde 2009, quando apresentou ‘Esmiúça os Sufrágios', na SIC, e a única ligação profissional que os seus elementos mantêm entre si é o contrato publicitário com a Portugal Telecom, que termina em breve. Ao que a Correio TV apurou, e apesar de ainda ser hipótese a renovação do acordo, é possível que os ‘Gato' deixem de ser a imagem do Meo.
As negociações prometem ser duras. É que os humoristas foram fundamentais na conquista de notoriedade do Meo, mas a sua ausência da TV nos últimos três anos diminuiu a sua própria popularidade, como, sabe a Correio TV, indicam alguns estudos de mercado feitos pela PT. Além disso, a dona do Meo tem pago os ‘Gato' a peso de ouro: cada um recebeu da operadora cerca de 560 mil euros por um contrato de dois anos, para 2009 e 2010. Ricardo Araújo Pereira, em 2011, quando participou num encontro organizado pelo Instituto Português de Administração de Marketing, disse mesmo que "o contrato com a PT era irrecusável". "Estão a pagar a universidade das minhas filhas e elas ainda estão na primária", afirmou.
Caso não haja acordo com a PT, será que o quarteto está disposto a regressar à televisão de forma regular? Se o fizer, será uma mudança na estratégia seguida nos últimos anos, em que cada um se vê concentrado em carreiras individuais.
"Gostaria que estivessem a fazer televisão, mas eles tomaram esta opção [de estarem afastados]", diz à Correio TV Luís Marques, diretor-geral da SIC, envolvido na transferência do quarteto para a RTP, em 2005, e no regresso à SIC, em 2008.
Nuno Santos, que levou os ‘Gato' da SIC para a RTP 1 e que, quando regressou a Carnaxide, convenceu o quarteto a fazer o mesmo caminho revela à Correio TV que tentou que os humoristas continuassem na TV, mas estes recusaram. "Já quando estava na RTP percebi que não queriam fazer televisão de forma muito regular. Depois do ‘Esmiúça', mostrámos abertura para eles voltarem."
Santos revela ainda que fez uma última abordagem quando assumiu a direção de Informação da RTP. "Tentei novamente. Disseram que não era altura", conta. Sobre um eventual retorno, não faz prognósticos, diz apenas que, se "decidirem regressar, será um acontecimento". "Acho que não têm essa vontade no imediato. Mas está sempre em aberto a possibilidade de eles voltarem".
Francisco Penim, que em 2003 foi responsável pelo lançamento dos ‘Gato' na SIC Radical, começa por dizer que os humoristas "não são do género de se acomodarem". "Facilmente os veria juntos de novo a fazerem outras coisas. O que não quer dizer que aconteça."
Já Nuno Artur Silva, das Produções Fictícias, empresa responsável pela carreira dos ‘Gato', não faz qualquer comentário sobre o futuro dos humoristas.
Correio TV contactou os quatro comediantes, mas, até ao fecho desta edição, não conseguiu chegar à fala com nenhum deles.
Nos últimos anos o quarteto tem seguido diferentes caminhos. Ricardo Araújo Pereira continua a ser o elemento com maior destaque. É presença diária nas manhãs da Rádio Comercial, mantém uma crónica semanal na ‘Visão' e participa no programa ‘Governo Sombra', na TSF e TVI 24, entre outros projetos. Já JoséDiogo Quintela é um dos sócios da Padaria Portuguesa, projeto que arrancou em 2010 e, dois anos depois, tem já 12 lojas em Lisboa. Para este ano, há mais sete padarias a nascer na capital.
Já Tiago Dores e Miguel Góis, os membros mais discretos do grupo, não estão envolvidos em qualquer projeto com visibilidade.
Mas se os ‘Gato' estivessem dispostos a voltar, quanto teria uma estação de pagar para os colocar em antena? Na altura em que as primeiras séries dos Gato Fedorento foram exibidas na SIC Radical, de 2003 a 2005, o quarteto recebia 1500 euros por episódio, valor que disparou depois da passagem pela RTP. Quando a SIC os voltou a contratar, em 2008, assinaram um acordo de 1,5 milhões de euros. Este foi o valor que o quarteto recebeu para fazer duas séries, de 13 episódios cada ( ‘Zé Carlos' e ‘Esmiúça os Sufrágios'). Contas feitas, o custo por programa rondou os 57 600 euros, quase 40 vezes mais do que os primeiros 1500 euros pagos por Balsemão.
Certo é que os ‘Gato' "fazem imensa falta", diz Nuno Santos. "Hoje até há oferta alargada de humor em Portugal. Mas eles podiam fazer a diferença."
Francisco Penim concorda, acrescentando que "ninguém que mande em conteúdos de televisão estaria no seu juízo se recusasse um programa deles. O seu humor continua a funcionar. É eficaz, abrangente", sublinha. 
'GATOS' JUNTOS DESDE 2003
A história do Gato Fedorento começou em abril de 2003, quando José Diogo, Miguel, Ricardo e Tiago, das Produções Fictícias, se juntaram para criar um blogue. No mesmo ano, iniciam, na SIC Radical, uma aventura televisiva, que prosseguiu na RTP e SIC e fez deles o mais importante grupo de humor nacional.
DEZ ANOS DE GATO FEDORENTO
'O PERFEITO ANORMAL'
Em 2003, José Diogo Quintela e Ricardo Araújo Pereira participam em ‘O Perfeito Anormal', de Nuno Markl e Fernando Alvim (SIC Radical). Sketches como ‘Filme Indiano' e ‘Chupistas' ganham popularidade.
SÉRIES NA SIC RADICAL
Devido ao sucesso em ‘O Perfeito Anormal', a SIC Radical propôs um novo formato. Juntam-se Tiago Dores e Miguel Góis, que integravam o blogue dos ‘Gato'. Fazem a série Fonseca (2003), Meireles (2004) e Barbosa (2005).
SAÍDA DA SIC PARA A RTP
No fim do verão de 2005, o quarteto abandona a SIC após exibição de alguns programas da série Fonseca na SIC generalista sem a sua autorização. No fim do ano, os ‘Gato' assinam um contrato de dois anos com a RTP.
SÉRIE LOPES DA SILVA
A 26 de março de 2006 começou a ser exibida na RTP a série Lopes da Silva, a quarta do grupo. Por esta altura, os humoristas já tinham editado as anteriores séries em DVD e o livro ‘Gato Fedorento: o blog'.
'DIZ QUE É UMA ESPÉCIE DE MAGAZINE'
No dia 29 de outubro de 2006 estreou na RTP a nova aposta do grupo, um formato de atualidade. As três temporadas foram um sucesso, e o quarteto foi responsável pela emissão de Fim de Ano de 2007.
REGRESSO À SIC
A Passagem de Ano marcou o fim da relação dos ‘Gato' com a RTP e, a 9 de janeiro de 2008, foi anunciado o retorno à SIC. Nessa altura, o grupo de humoristas já tinha lançado em DVD a série Lopes da Silva, da RTP.
PROGRAMA 'ZÉ CARLOS'
Em setembro de 2008 os Gato Fedorento reiniciam a colaboração com a SIC, onde tinham começado cinco anos antes, com o programa ‘Zé Carlos', ao estilo do que tinham feito em ‘Diz Que É Uma Espécie de Magazine'. 
'ESMIÚÇA OS SUFRÁGIOS'
A 14 de setembro de 2009 os Gato Fedorento estrearam um formato ao estilo ‘Daily Show' para acompanhar as legislativas e as autárquicas. José Sócrates e Manuela Ferreira Leite, entre outros, foram convidados. 

PERFIS
RICARDO ARAÚJO PEREIRA
Ricardo Araújo Pereira nasceu em Lisboa a 28 de abril de 1974 (38 anos). Licenciado em Comunicação Social, trabalhou na redação do ‘Jornal de Letras' e ‘Artes e Ideias'. Depois, mudou-se para as Produções Fictícias, tenso sido coautor de programas de Herman José. Benfiquista e ateu, é pai de duas filhas.
JOSÉ DIOGO QUINTELA
José Diogo Quintela nasceu a 29 de maio de 1977 (35 anos), em Lisboa. Estudou nos Estados Unidos, através de um programa de intercâmbio de estudantes, e frequentou o curso de Comunicação Social no ISCSP, que nunca concluiu. Estreou-se, depois, nas Produções Fictícias. É sportinguista e católico. 
MIGUEL GÓIS
Miguel Góis nasceu a 1 de junho de 1973 - tem 39 anos. Licenciou-se em Comunicação Social, curso onde conheceu Ricardo Araújo Pereira, que o convidou para escrever o jornal da associação de estudantes. Começou a estagiar nas Produções Fictícias em 1998, no programa ‘Herman 98', e por lá ficou. É benfiquista e ateu.
TIAGO DORES
Tiago Dores nasceu a 1 de maio de 1975 (37 anos). Benfiquista e ateu, é amigo de infância de Ricardo Araújo Pereira. Licenciado pela Universidade Nova de Lisboa, tirou um curso de Economia. Trabalhou dois anos em publicidade, antes de se aventurar na escrita humorística, em 2000, quando se juntou às Produções Fictícias. 


0 comentários:

Com tecnologia do Blogger.

Follow Me