12 de novembro de 2010

ENTREVISTA: Miguel Sousa Tavares

José Diogo Quintela deixou de colaborar com o jornal A Bola depois de uma crónica em que o criticava ter sido "censurada" pela Direcção do diário desportivo. Ficou surpreendido com a decisão dele?

Não fiquei surpreendido nem deixei de ficar. O homem tomou a decisão de escrever vários textos sobre a minha pessoa num diário desportivo, não entendo bem porquê. Aquilo que sei é que ele [José Diogo Quintela] e o Ricardo Araújo Pereira comprometeram-se a deixar de fazer esse tipo de comentários, mas acabaram por não cumprir o acordo.

Entretanto, Ricardo Araújo Pereira também decidiu deixar de escrever para o mesmo jornal, num acto de solidariedade...

Se calhar a vitória do FC Porto no passado domingo frente ao Benfica por 5-0 serviu de empurrão para que ambos decidissem sair de lá.

Há quanto tempo é que começou esta "troca de galhardetes"?

O José Diogo Quintela e o Ricardo Araújo Pereira começaram a citar o meu nome nas suas crónicas há cerca de um ano. Aliás, eles não perdem a oportunidade de comentar tudo o que eu digo e tudo o que escrevo há anos. Acho que esses senhores devem ter uma central de informação ao serviço deles, porque não acredito que tenham tempo para ter acesso a tudo o que escrevi há anos. O Ricardo Araújo Pereira deu-se ao trabalho de ir buscar um texto meu escrito há 12 anos onde eu uso a palavra "algo", que é um termo que eu detesto.

O que originou esta "guerra"?

Não faço a mínima ideia, deve ser porque sou adepto do FC Porto. Ainda este domingo voltaram a atacar-me, mas essas coisas passam-me ao lado. Nunca dei continuidade a esta 'guerra'.

Chegou a falar com alguém da Direcção de A Bola sobre estes comentários?

Não, nunca falei com ninguém. Nem era preciso porque estava à vista de todos.

Disse ontem a um jornal diário que José Diogo Quintela estava a ver se se promovia às suas custas...

Isso foi um mal-entendido, porque eu não percebi o contexto em que a pergunta me foi feita por esse jornal, uma vez que o texto de que me falaram foi escrito num site e não no jornal. Ainda assim, considero que ele [José Diogo Quintela] está a fazer render o peixe.

Alexandre Pais, director do Record, convidou José Diogo Quintela e Ricardo Araújo Pereira para escreverem naquele jornal desportivo. A 'guerra' vai continuar?

Não sei se, quando eles forem para lá, vão continuar a falar sobre mim. Espero que eles façam o mesmo a dois colunistas do Record como fizeram a mim e ao Rui Moreira, para ver se o Alexandre Pais gosta.


in: DN

0 comentários:

Com tecnologia do Blogger.

Follow Me