29 de julho de 2009

Balanço da última temporada televisiva revela que pouco se inovou em relação às anteriores




Novelas, concursos, humor e algum investimento em formatos informativos que depois desapareceram, foram os principais elementos da oferta televisiva dos canais generalistas da temporada que agora terminou.



As estações estão prestes a anunciar os programas que vão oferecer aos espectadores na nova grelha de Outono. Da anterior, que terminou no início do Verão, fraca memória ficou. Investigadores que estudam a área, ouvidos pelo JN, consideram que não se inovou.


Francisco Rui Cádima, professor da Universidade Nova de Lisboa, é da opinião que a televisão portuguesa recebe "influência terceiro-mundista".



"Este ano não fugiu à regra: Telenovelas, portuguesas e brasileiras, programas com características de humor como os 'Gato fedorento' ou 'Os malucos do riso' e também os concursos televisivos. Não encontramos em nenhum país europeu canais com estas características".



Definidor da temporada, pela positiva e pela negativa, de acordo com o investigador, foi a criação de dois programas "que desapareceram quase de imediato". Refere-se às entrevistas de Mário Crespo, na SIC generalista, e a "Cartas na mesa", de Constança Cunha e Sá, transferido para o TVI 24. Outro dos programas positivos foi "Equador", que considera a estreia "mais importante da temporada", que revela um "grande investimento em ficção portuguesa de qualidade".




"Os 'Gato fedorento' esgotaram o modelo do 'talk-show' de comédia, e o que acho mais importante assinalar é o crescimento dos canais alternativos em termos de audiência", prossegue.



in: Diario de noticias



0 comentários:

Com tecnologia do Blogger.

Follow Me